Google+ Followers

Seja bem-vindo à nossa sala virtual. Vamos entrando, puxe a cadeira, junta-se a nós. A sala está cheia, o filme vai rodar! Fique à vontade! O café tá posto! Sinta-se em casa!


Que tenhamos todos um dia de muita paz e que sejam de paz os nossos pensamentos!
Volta Grande MG,



Receba nossa vibração de carinho, apreço e muita alegria por estarmos juntos em nossa sala virtual.
Lembre-se, aqui, o mais importante é você! Obrigado pela tua companhia! Sinta-se convidado a elevar o pensamento aos pés do Todo Compassivo, agradecendo pelo dom da vida e por ter nos entregue sob a responsabilidade de Jesus! 
           ,

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013


VÍDEO DA TRAGÉDIA DE 1948 -
          Impacto na economia brasileira 

ONZE MINUTOS DA ENCHENTE DE 48 
EM VOLTA GRANDE 









(onze minutos da enchente de 1948 -) e a nossa singela análise sobre o impacto da tragédia na economia brasileira.
ENCHENTE DE 1948 EM VOLTA GRANDE
(onze minutos da enchente de 1948 -) e a nossa singela análise sobre o impacto da tragédia na economia brasileira.
Pensamos o seguinte a respeito:
O efeito fora devastador! A promissora Volta Grande, cidade mais importante da região por aquela época, de um momento para outro, passa a não mais existir. O efeito provocara abalos na economia brasileira. Mudou até mesmo a concepção de modelo econômico, o pensamento de descentralizar os produtos industrializados ou primários na capital. O Rio de Janeiro que era abastecido por frangos, leites, ovos, laticínios, café, açúcar de cana produzido pela usina acuçareira e destilaria de álcool, (local onde se vê ainda hoje em pé a grande chaminé, como testemunha viva de uma época áurea) enfim produtos variados e importantes na subsistência humana, eram enviados para a capital da república sediada na cidade do Rio de Janeiro que sustentava e alavancava o crescimento vertiginoso da pequena Volta Grande emergente, absorvendo seus produtos. Derrepente, da noite para o dia, faltam no mercado. O governo federal e o governo da cidade do Rio de Janeiro precisaram (como diria o Faustão: se virar nos trinta). A sede do governo brasileiro fora abalada em sua estrutura. Urgência era palavra de ordem no poder máximo do Brasil. A capital da república precisava "para ontem" encontrar alternativas de abastecimento. Começa aí a decadência financeira e a falência da próspera Volta Grande destruída pelas águas. A cidade demoraria a se recompor e a se estabilizar. Agora, já não era o pólo abastecedor principal da grande capital, era um monturo debaixo d'agua! O mercado carioca começara então a ser abastecimento pelo interior interior paulista. Muda-se o foco. Muda-se o endereço!
Penso cá com meus botões: Talvez essa catástrofe em Volta Grande tenha levado o presidente do Brasil na época a pensar no assunto de uma "CAPITAL REFÉM" e não só o presidente mas toda a classe política brasileira da qual o jovem Juscelino fazia parte. O Brasil na época era governado por Eurico Gaspar Dutra que teve o mandato de 31 de janeiro de 1946 a 31 de janeiro de 1951. Governava ele nosso país no palácio do Catete que foi a sede do poder executivo brasileiro de 1897 a 1960. Aquela situação naturalmente provocou profundas reflexões no então promissor político Juscelino Kubistschek. Aquela situação vivenciada por ele ocasionada pelo impacto da enchente de dezembro de 1948, mudaria os destinos da nação. Era ele, então, ativo político e havia voltado dos Estados Unidos da América e Canadá, para onde viajara em julho de 1948. E dessa viagem volta com a mente borbulhando e ávida de idéias novas. No ano de 1948 foi criado um grupo de análise da SITUAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL. Aquela situação drástica faz NOSSOS POLÍTICOS ANTECIPAREM o que já haviam decidido por maioria de votos em JULHO DE 1948 (Que a CAPITAL FEDERAL deveria localizar-se no centro geométrico do Brasil. Esta importante reunião se deu e assim foi decidido. Viam nossos políticos a necessidade de modernização, industrialização e urbanização e neste contexto recheado de idéias novas, AQUELA ENCHENTE NA CIDADE DE VOLT A GRANDE em 22 DE DEZEMBRO DE 1948 só veio a CONFIRMAR PARA NOSSOS POLÍTICOS A NECESSIDADE DE AGILIZAREM O PROCESSO de que haviam decidido em assembléia. Mas a mudança da capital foi projeto que ficou engavetado alguns anos como a modernização do país, a industrialização, só veio acontecer no governo de Juscelino, quando assume o poder. Faz surgir para um Brasil atônito e para o mundo intrigado, uma nova cidade, uma nova localização para a capital, fábricas de carro em São Paulo... tudo em tempo record. Constrói no planalto central do país uma cidade e transfere para lá a sede do governo brasileiro. Brasília foi inaugurada em 21 de abril de 1960. Doze anos apenas haviam se passado da enchente em Volta Grande que até 1948 abastecera a capital com produtos que tinham o escoamento facilidado pelo meio de transporte mais barato do mundo: os trilhos da Estrada de Ferro Leopoldina inaugurada aqui por D. Pedro II. Mas a necessidade de uma integração rápida neste país continente que é o Brasil, faz o jovem presidente acelerar o pé desbravando com máquinas e tratores, construindo estradas e fabricando caminhões neste Brasilzão de meu Deus. O meio barato de transporte foi deixado de lado. Pelos trilhos, era escoada toda a produção da cidade de Volta Grande para o Rio.
Mas vamos observar que após o ano de 1948, houve imensa e profunda transformação no país. E interessante notar que adveio do pós-enchente em nossa terra. Então, concluimos o raciocínio de que a catástrofe daqui, que abalou o Brasil, provocou reações no governo federal, e mexeu com a economia do país naquela época. Mudou rumos. Fez os políticos se mexerem e refletirem em um novo local para a capital do país. O Poder estando no planalto central, receberia do país inteiro o que houvesse necessidade para que nao sofresse consequencias, paralizações e estivesse vulnerável, refém, até mesmo por uma catástrofe como aquela advinda de um pequeno, mas importante pólo produtor. Naturalmente, entendemos assim. Pois, diz o narrador enquanto roda o filme: "A destruição foi completa e as consequências atigem profundamente a própria vida do DISTRITO FEDERAL considerando que a região assolada é celeiro principal do abastecimento carioca...." e por ai vai, onde voce amigo poderá refletir nas palavras do narrador sobre a filmagem da "Enchente de 1948".
CHEGAMOS ENTÃO MEU AMIGO/MEU IRMÃO EM NOSSA CONVERSA DE TODOS OS DIAS QUE:
O EFEITO DESTE TRÁGICO, AQUELE ACONTECIMENTO MUDOU O DESTINO DE NOSSO PAÍS.
Você amigo, pode, deve e tem o direito de não aceitar o que expomos. Concordo. Mas também precisamos admitir que existe grande probabilidade dentro de nossa análise que não podemos descartar sem profundas reflexões devido aos fatos registrados pela história. Obrigado pelo carinho, um abraço fraterno,
Volta Grande de Humberto Mauro
antonio carlos jacinto
Em tempo: A nossa cidade continua com o mesmo nome: Volta Grande. Como todos sabem, resolvemos por nossa livre e espontanea vontade batiza-la de: VOLTA GRANDE DE HUMBERTO MAURO e é assim que iniciamos nosso programa Almoçando com Você! todos os dias em nossa rádio comunitaria. Esperamos que o povo abrace a idéia e solicitemos de nossa classe política que se faça um plebiscito para incorporar o nome de Humberto Mauro ao nome da cidade.
  




VOLTA GRANDE DE HUMBERTO MAURO

Nosso blog assim como o lema da bandeira do estado de Minas, " liberdade ainda que tardia "diz o mesmo para HUMBERTO MAURO o gênio do cinema nacional, " reconhecimento ainda que tardio " , mas ainda assim, agasalhamos a certeza de que temos de Mauro na pátria espiritual o aval, ao verificar que os cidadãos de sua terra natal começam a entender e valorizar seu legado, a vislumbrar o que êle há muito havia percebido ( as belezas da natureza luxuriante nas cercanias de Volta Grande ))). A importancia em procurar preservar esse patrimônio tendo como base estrutural a educação! As belas cachoeiras que Mauro carregaria em sua tela mental pra todo o sempre e imortalizaria em sua obra, onde declara que ((CINEMA É CACHOEIRA! ((HM)) A preocupação do pai Caetano Mauro com a educação dos filhos, leva a familia para Cataguases. Assim Humberto chega na pré-adolescência naquela cidade, onde estuda, casa, inicia no cinema e depois vai para o Rio de Janeiro, onde junto com Roquete Pinto fundam o INCE. Nesse interím, constroi em Volta Grande sua residência e o sonhado "Estúdios Rancho Alegre " ( homenageando a fazenda onde nascera Cachoeira Alegre) e, em explosão de ge- nialidade inicia o cinema novo, educativo! Glauber Rocha o situa a altura de um Portinari, um Guimarães Rosa ou mesmo Villa Lobos. Esse é Humberto Mauro que Cataguases sempre valorizou ( e parabenizamos ), mas que agora, os cidadãos voltagrandenses, estão aprendendo a valorizar. Por isso afirmamos que: Humberto Mauro é cidadão de Volta Grande, de Cataguases e do mundo.

antonio carlos jacinto




FOTOS DA TRAGÉDIA 














   




 







 

















       


























 





































































Obrigado pela tua companhia!


                              antonio carlos jacinto